O pouso e o gozo

Um último olhar e logo você se perde rumo à sala de embarque. Ainda consigo ver você agachar para pegar algo que caiu no chão mas, inevitavelmente, em segundos já não o tenho mais.

Você vai comigo para casa. Relembrando momentos inesquecíveis que passamos juntos. Dando risadas, vendo TV, a pedalada no parque, fazendo amor. Essa coleção de memórias que nós sabemos muito bem criar. E que colecionamos com muito carinho todas as vezes que estamos juntos.

Ainda no carro, você me lembra daquela escapada no banheiro do bar. Incrivelmente deliciosa. Tudo bem que fomos abordados pelo segurança que nos tirou de lá antes que tudo que há de mais gostoso acontecesse. Saímos rindo, nos divertindo com a situação. Mas não sem antes viver a tensão do “sermos pegos com a mão na massa”. A minha, diga-se de passagem.

Enquanto o avião corre na pista e você começa sua longa viagem de volta, sinto sua respiração na minha orelha. A voz rouca, o hálito quente, as safadezas que saem de sua boca. Me molho toda. Sua língua passeia devagar pelo meu pescoço. Seus lábios seguram levemente o lóbulo de minha orelha. Perco as forças.

Entregue, me declaro a você. Não verbalmente. Meu corpo fala por mim. Meus pelos se eriçam, meus mamilos me acusam, minha boca te busca, meus braços te tomam.

Enfio a chave na fechadura. Giro de duas voltas. Você me diz que eu sou obsessiva com isso, que uma volta da chave basta. Hábito, rotina, obsessão? Não me importo. Só quero que você me empurre para dentro de casa. Que suas mãos fortes me peguem. Que você me use gostoso porque sou sua.

Largo minha bolsa na mesinha da sala. Você entra comigo no banheiro. O que procura? Você pergunta. Meu Lelo. Está no criado mudo, você me lembra, sem perder tempo e já me jogando na cama.

Arranca minha blusa. Desabotoa meu sutiã me beijando inteira. E, em pouquíssimo tempo, me despe por completo. Estou entregue. Já estava. Desde o último beijo no aeroporto.

Meu gozo vem como o seu pouso. Imagens que passam pela memória e aumentam a minha tensão, tal qual a paisagem pela janela do avião. Estamos chegando, pensamos. Eu aqui e você lá. Ansioso, intenso, rápido.

Relaxo. Você também. Estou em casa. Você chegando na sua. Até quando? Uma, duas semanas? Sim, espero loucamente por esse tempo. Sem deixar de ter você comigo todo o tempo. Até te reencontrar, sem nunca ter deixado de te sentir ao meu lado.

Jet Airplane Landing at Sunset

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>